Actualmente, o furão doméstico é bastante requisitado como animal de companhia.
 
Em alguns países está a alcançar um grande destaque na lista de preferências das pessoas, e não tardará até ocupar um confortável lugar ao lado do cão e do gato.
O furão encontra-se legalizado em praticamente todo o lado. Bons exemplos são países como o Reino Unido, França, Espanha, Itália, Bélgica, Holanda, Alemanha, Estados Unidos (excepto nos estados da Califórnia e Havai), Canadá, Brasil, Argentina, Japão, Austrália, Nova Zelândia, Africa do Sul, etc.
 
Mas Portugal não está na lista... Estará o nosso país desactualizado? A resposta é óbvia.
 
Pois é, em Portugal a legalização dos furões domésticos tarda em aparecer, enquanto isso não acontece, os donos dos furões portugueses esperam e desesperam. Não é uma situação nada razoável, tendo em conta que praticamente todos os países da União Europeia têm este animal legalizado, e, apesar de alguns desses países, o furão também estar proibido para uso em caça, isso não impediu a sua legalização como animal doméstico.
Neste aspecto, a legislação portuguesa não se encontra bem definida, e não contempla o furão como animal doméstico, mas sim como animal de caça.
Como animal de caça, está proibido, com apenas algumas excepções, que exigem que o animal se encontre registado, e a entidade que o registou, obtenha uma licença anual de uso e transporte. Uma dessas excepções diz que só está autorizada a atribuição de licenças a reservas de caça que possuam alvará, sendo a DGF (Direcção Geral de Florestas), ou o Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, as entidades que as atribuem.
Como é praticamente impossivel aos donos dos furões domésticos conseguirem ter acesso a estas licenças, consideram-se em situação ilegal.
 
Os incómodos causados aos donos de furões domésticos por esta situação de ilegalidade são muitos:
 
- Por ser um animal ilegal, não são muitos os veterinários que percebem da frágil saúde deste animal, não esquecendo que eles estão conscientes que devem denunciar os donos dos furões, não o fazendo apenas por compaixão.
 
- Por ser um animal ilegal, as lojas de animais não têm produtos à venda para uma manutenção adequada dos furões.
 
- Por ser animal ilegal, não podemos sair à rua ou realizar encontros de furões.
 
- Por ser um animal ilegal, as pessoas estão a ser privadas de terem acesso a este fabuloso animal de estimação.
 
Uma denuncia é o suficiente para pôr em risco o nosso furão. E é por amor a este animal que o mantemos na sombra.
 
No próximo mês de Julho, entrará em vigor o passaporte para animais de estimação como cães, gatos, roedores, e furões, e que vai permitir que os turistas possam trazer os seus companheiros peludos de férias, sem necessidade de passarem pelo desagradável período de quarentena.
Apesar de ser necessário um visto passado pelo ICN (Instituto de Conservação da Natureza) para os furões, eles vão poder passear-se pelo nosso país sem medo, ao contrário dos nossos.
 
- E veterinários especializados para garantir umas férias descansadas aos furões estrangeiros? Não são todas as clínicas veterinárias que os têm.
 
- E comida? São raras as lojas que têm à venda comida para furão, portanto, os turistas terão que vir abastecidos.
 
Resumindo, toda esta situação não faz muito sentido, é por isso que deve ser regularizada o mais depressa possível, pois os nossos furões não são menos do que os dos nossos visitantes, ou outros furões que existem por esse mundo fora.
Apesar de todos os esforços da comunidade furónica, ainda nada foi conseguido no sentido de mudar a actual lei. Não era preciso muito, bastava que os nossos lideres olhassem na direcção certa e tomassem de exemplo os países acima mencionados.
 
Será assim tão difícil reconhecer o furão doméstico como animal de estimação?